Leishmaniose em cães: existe risco de contágio?

Leishmaniose em cães: existe risco de contágio?

A Leishmaniose é uma doença muito grave para os cães, pelo que deves estar alerta e atuar perante a mínima suspeita. É uma doença causada por um parasita do género Leishmania. Queres saber o que é a Leishmaniose em cães e como tratá-la? Não percas tudo o que vamos contar-te neste artigo!

O que é a Leishmaniose em cães?

A Leishmaniose é transmitida através de um mosquito chamado flebótomo. A temporada de contágio vem com a chegada do calor, aproximadamente entre maio e setembro, embora nas zonas mais cálidas haja mosquitos durante todo o ano. Em Espanha as zonas mais afetadas são Aragão, Levante, Múrcia, Andaluzia, Castela-Mancha, Castela e Leão, Ilhas Baleares, Madrid e Estremadura.

Imagem extraída de www.frenchiesnfriends.es

É muito importante que estejas informado sobre esta doença e tenhas precaução, já que causa a morte na maioria dos cães afetados que não receberam tratamento. Se não proteges o teu cão, o risco de contágio está entre 3% e 18%, dependendo da zona. Os cães que vivem nas zonas rurais ou periurbanas das regiões cálidas do país têm mais risco.

Se tens medo de que o teu cão sofra de Leishmaniose o primeiro que deves fazer é visitar o veterinário. Ele irá resolver as tuas dúvidas com um teste analítico do sangue do teu cão e, dependendo do seu estado, poderá também tomar uma amostra da medula óssea ou do tecido de um gânglio linfático inflamado para examiná-lo no microscópio. É necessário que atues rápido perante a mínima dúvida, já que um futuro tratamento terá mais sucesso se for iniciado nas primeiras fases da doença.

Para poder evitar que o teu cão sofra com os perigos da Leishmaniose há que ter em conta os sintomas que esta perigosa doença pode provocar.

No início, o cão vai começar a perder pelo, sobretudo ao redor dos olhos, orelhas e nariz. Depois, irá perder peso rapidamente, mas sem perder o apetite. Começarão a aparecer feridas na pele, principalmente nas zonas que estão em contato com o chão (patas, cabeça…). Quando a doença atinge um nível crônico poderão ser observados diversos sintomas relacionados com a insuficiência renal, hepática, etc.

Esta doença não tem cura, pelo que unicamente pode ser tratada. O tratamento irá suprimir os sintomas, mas não vai impedir uma recaída no futuro. É um tratamento que dura várias semanas, mas os sintomas voltarão a aparecer periodicamente e será preciso repetir o tratamento.

Devido a isto, a melhor cura é a prevenção. Consulta com o teu veterinário quais são as melhores formas de evitar a Leishmaniose. Atualmente existem repelentes e vacinas que ajudam a prevenir.

Precauções para evitar o contágio da Leishmaniose em humanos

Os cães que estão a ser tratados não podem contagiar. No entanto, as pessoas podem também contrair a Leishmaniose, tal como os cães, através do mosquito fêmea. Unicamente pessoas com o sistema imunitário débil poderão ver-se afetadas pela doença com caráter grave. Se o teu sistema imunológico funcionar bem poderás acabar com a infeção sem problemas. Apenas uma pequena parte das pessoas que são infetadas pela Leishmaniose acabam por padecer a doença.

Esta doença tem uma maior extensão nas populações mais pobres do planeta, já que a má-nutrição, as deslocações de população e as más condições de vida destas pessoas provocam nelas a debilidade do seu sistema imunitário e com isso um maior risco.

No caso de Espanha, as zonas cálidas são as mais afetadas, pelo que em regiões como Andaluzia ou Levante a precaução deve ser maior. Quando tiveres a mínima suspeita vai ao médico e pergunta-lhe, já que o maior inimigo desta doença é o controlo, a vigilância e a prevenção.

Não há vacinas para prevenir a Leishmaniose em pessoas, pelo que também não há uma forma segura e 100% fiável de evitar o contágio. O mais efetivo é que tu e a tua família procurem informação e assim conhecer as melhores formas de prevenção e saber o que fazer no caso de que alguém fique doente. Sempre é bom estar preparado!

Se queres evitar o risco, é recomendável colocar mosquiteiros nas janelas da tua casa de campo ou da praia, usar velas ou aparelhos anti-mosquitos e, no caso de viver numa zona muito cálida, fumigar se for necessário.

Um conselho para prevenir a Leishmaniose: evita passear cerca dos rios ou por zonas húmidas à tarde. É o momento em que os mosquitos estão mais ativos! Para proteger o teu cão é também importante que uses produtos desparasitantes, como a coleira Scalibor, que repelem o mosquito da Leishmania. Podes encontrá-los com forma de coleiras, pipetas e até sprays.

Recentemente, tem-se desenvolvido uma vacina contra a Leishmaniose canina. Recorda sempre consultar o teu veterinário para te informares sobre a melhor forma de proteger o teu animal de estimação.

Deixe um comentário