Insuficiência renal crônica

,

Na atualidade os cães e os gatos vivem em média mais anos do que antigamente graças aos avanços na medicina veterinária e ao maior conhecimento dos donos sobre o cuidado dos animais de estimação. Não é estranho encontrar cães de 14 ou 15 anos a desfrutar de um passeio com seus amos ou gatos de 18 anos a descansar confortavelmente em uma almofada. Os animais idosos sofrem doenças degenerativas próprias da terceira idade, como insuficiência cardíaca, problemas digestivos, tumores e doenças crónicas dos rins, entre outras.

Sintomas da insuficiência renal crônica

A insuficiência renal crónica tem um começo gradual, com sinais muito específicos no início. Pode observar-se que o cão não está completamente bem; parece ter envelhecido de repente, a seu apetite pode ser normal ou mais seletivo (come apenas os alimentos de que mais gosta) e não tem outros sinais clínicos. Pode ser percebido um aumento na quantidade de água que bebe, e na urina que produz. Muita gente acredita que o seu animal de estimação está “muito bem dos rins porque urina muito” e sem dificuldades. Esta urina costuma ser clara, abundante e quase sem odor. Outro sinal precoce da insuficiência renal crônica é a opacidade da pelagem com uma perda exagerada de pelo fora das épocas normais de muda.

Os rins são os encarregados de depurar o sangue, retendo líquidos e eliminando as substâncias tóxicas produto do metabolismo das células. À medida que perdem a sua capacidade para esta tarefa, não conseguem eliminar estas substâncias de maneira eficiente, então produzem mais quantidade de urina na sua tentativa por eliminar mais quantidade de tóxicos. O resultado é um aumento da sede para compensar esta maior perda de água e um mal-estar pelo acúmulo de toxinas no organismo.

Causas da insuficiência renal crônica

As unidades básicas de funcionamento dos rins chamam-se nefrónios. Quando os primeiros nefrónios começam a falhar, os demais ficam sobrecarregados para compensar a perda. Este mecanismo compensa a função durante um tempo, mas a longo prazo provoca a falha de mais nefrónios e o avanço da doença renal. Só quando a destruição chegar a 75% dos rins, aparecem os sinais clínicos mais severos. É por este motivo que é tão importante realizar exames de sangue periódicos nos animais idosos. É a única maneira de detectar de forma precoce este deterioro e tomar medidas para detê-lo ou fazer com que seja mais lento.

Quando a insuficiência renal crônica estiver em um estado avançado, observa-se uma perda de apetite, vómitos, depressão marcada, perda de peso, úlceras nas mucosas da boca e do intestino, diarreia. O hálito tem um odor desagradável, similar ao da urina.

Uma vez que se suspeitar da doença crônica, deve ser realizado um exame de sangue, de urina e uma ecografia para confirmá-la, estimar o grau e descartar a presença de uma infecção urinária ou de um tumor. Assim afina-se o máximo possível o diagnóstico para realizar o tratamento específico que for possível.

Os parâmetros no sangue que medem, por assim dizer, o avanço da insuficiência renal crônica, são a uremia e a creatinemia. Os valores normais dependem um pouco do laboratório, mas são de aproximadamente 10 a 40 mg/dl para a uremia e até 1,5 mg/dl para a creatinemia. No exame de urina monitora-se a densidade urinária, que é maior a 1025 em animais saudáveis e abaixa ao redor de 1010 nos doentes renais crônicos. Também controlam-se os sedimentos e as proteínas eliminadas na urina. No sangue avaliam-se o fósforo, potássio, proteínas totais, e recontagem de glóbulos vermelhos.

Tratamento da insuficiência renal crônica

O tratamento da doença renal crônica aponta a melhorar o estado geral do paciente e minimizar os sintomas, mas não podem ser recuperados os nefrónios destruídos. Existem situações que agravam o quadro, como uma infecção urinária ou uma desidratação, que podem melhorar rapidamente com o tratamento adequado.

O primeiro passo é compensar ao paciente com fluidoterapia. Se estiver com vómitos, deve receber soro endovenoso até que os sintomas tenham desaparecido e recupere o apetite. Durante este tratamento podem ser compensados também o potássio e fósforo, que costumam estar alterados pela disfunção renal. Uma vez que o animal estiver recuperado é necessário prevenir a desidratação segundo o avanço da insuficiência renal crônica, isto pode ser feito ao deixar água fresca à disposição em todo momento (até mesmo durante a noite) ou pode ser necessário administrar soro subcutâneo várias vezes por semana. Isto pode ser feito em casa, sem a necessidade de internação, já que qualquer dono pode aprender a fazê-lo; tomará apenas 15 minutos e não resulta demasiado molesto para o animal.

Outro fator importante do tratamento é a dieta. Sempre recomenda-se uma dieta de boa qualidade com uma quantidade reduzida de proteínas, fósforo e sódio. Estas proteínas devem ser de alta digestibilidade para evitar a desnutrição. O veterinário te dará indicações precisas de acordo com a situação particular do teu animal de estimação. Para estimular o apetite podes usar alguns aromatizantes, aquecer um pouquinho a comida, dar várias porções pequenas durante o dia, etc.

Durante o tratamento da insuficiência renal crônica é necessário fazer controlos de sangue periódicos. Segundo os resultados, o veterinário pode realizar mudanças para compensar alguns eletrólitos, como adicionar potássio na dieta ou incorporar medicamento que absorvam o fósforo dos alimentos, que costuma aumentar demasiado. Também pode indicar-te vitaminas B e C ou algum outro nutriente que ajude a melhorar o estado geral do paciente. Se a anemia for muito marcada, de certeza indicar-te-á algo para melhorá-la, como ferro, eritropoetina ou anabólicos. Há medicamentos naturais que costumam ser indicados para proteger os rins doentes.

Nas fases precoces da insuficiência renal crônica não há muito que se possa fazer, exceto as mudanças na dieta e os controlos periódicos. Porém, há terapias alternativas que podem aportar melhoras significativas, como a lisadoterapia ou a homeopatia. Esta última pode ser muito importante para melhorar o estado geral do paciente e equilibrar o seu organismo, o que pode resultar em uma progressão mais lenta da doença ou uma melhor qualidade de vida.

Se quiseres saber sobre a alimentação dos animais de estimação com esta doença lê o nosso post.

 

« Anterior

Qual lagarto escolher como animal de estimação?

10 conselhos práticos para os novos proprietários de um cão

Seguinte »

Deixe um comentário

¿Necesitas hacer una consulta veterinaria? Recuerda que tu veterinario de confianza es siempre el mejor profesional para ayudarte con la salud y el cuidado de tu mascota. Mas, da Tiendanimal , queremos sempre oferecer o melhor e, para isso, temos uma equipe de especialistas que o aconselharão através do Serviço de Consulta Veterinária em nosso site.