A alimentação do gato

A alimentação do gato

Os gatos têm necessidades nutricionais diferentes das do homem ou dos cães. Cada nutriente que é incorporado na alimentação, isto é, proteínas, gorduras, hidratos de carbono, vitaminas e minerais, tem uma função específica e a sua carência ou excesso geram problemas de saúde em longo prazo.

Um gato pode ser alimentado com comida caseira, mas como veremos a seguir, é difícil conseguir um adequado balanço de todos os nutrientes. Há uma enorme variedade de rações comerciais bem formulados com diferentes aromas e sabores que resultarão deliciosas e saudáveis para qualquer gato.

Nutrientes presentes na alimentação do gato

Proteínas

São longas cadeias de aminoácidos que constituem os “tijolos” para construir os músculos, os órgãos, a pele, o pelo e todos os tecidos do corpo. Alguns aminoácidos formam-se no organismo, mas outros, chamados essenciais, devem ser incorporados com a dieta. As proteínas de alta qualidade são as que se digerem quase totalmente e permitem aproveitar todos os seus aminoácidos; estas provêm das carnes (de vaca, aves ou peixe), ovos e lácteos. Os gatos têm a particularidade de usar as proteínas como fonte de energia, por isso precisam quantidades mais altas que os cães ou o homem. A alimentação do gato deve conter aproximadamente 33% de proteínas de alta qualidade, com variações que dependem da idade e da saúde do animal.

Gorduras ou lipídios

Aportam energia e também sabor à comida. Estão formados por ácidos gordos de diferentes longitudes e aqui também encontramos alguns que são essências. Formam as paredes celulares, grande parte do tecido nervoso, as hormonas e outros mediadores do organismo. Encontramos neste grupo os famosos ácidos ómega 3 e ómega 6, tão importantes para uma boa saúde. O gato precisa o aporte de determinados ácidos gordos presentes apenas nas gorduras de origem animal, por tanto não é suficiente dar-lhe óleo vegetal como fonte de lipídeos. Na alimentação do gato, a quantidade deste nutriente varia muito, mas deve ter como mínimo 10%.

Hidratos de carbono

Provêm dos vegetais e existem dois tipos. Os que geram energia no corpo, como açúcares (lactose) e amidos (cereais) e as fibras, que não são digeridas, mas são necessárias para que tenha um bom trânsito intestinal. Em outras espécies os amido são a principal fonte de energia, mas os gatos não os digerem bem. Precisam uma pequena proporção de fibras, que não exceda 10% e neste caso também varia muito a qualidade.

Minerais

Precisam de vários tipos diferentes e em pequenas quantidades, mas a sua carência ou excesso na alimentação do gato traz transtornos na saúde. São divididos em macroelementos, que se medem em gramas (cálcio, fósforo, magnésio, sódio, potássio), e outros oligoelementos, que se medem em miligrama (ferro, cobre, zinco, iodo, manganês, etc.) Seria muito longo explicar aqui para que serve cada um, mas podes encontrar essa informação facilmente ou perguntar ao teu veterinário.

Vitaminas para gatos

São também nutrientes essências para a vida. Distinguem-se as vitaminas presentes na gordura (lipossolúveis) que são as A, D, E e K e as hidrossolúveis que são a C e o grupo B.

As lipossolúveis são armazenadas no organismo e o seu excesso na alimentação do gato pode trazer problemas. As vitaminas agem no geral como elementos catalizadores necessários para o metabolismo de outros nutrientes, como antioxidantes (vit E), na vista e defesas do organismo (vit A), no sistema nervoso (vit B1), na coagulação (vit K), etc. Encontram-se em grande quantidade de alimentos de origem animal e vegetal.

O gato, a diferença do cão, não consegue converter o betacaroteno dos vegetais em vit A e é incapaz de sintetizar a vitamina D por efeito dos raios ultravioletas. Por tanto, na alimentação do gato devem estar presentes os alimentos de origem animal, o que demonstra novamente o seu caráter estritamente carnívoro. O fígado é particularmente rico em estas vitaminas, mas não deve ser utilizado em excesso porque traz sérios problemas ósseos em longo prazo.

Como podes perceber, são muitas coisas a ter em conta ao formular uma dieta e é difícil fazê-lo bem em casa, por isso são recomendadas as dietas comerciais de boa qualidade. Isto não quer dizer que não possas dar ao teu gato uma delicia extra, como um pouco de atum ou de peru, mas sempre com o consentimento do teu veterinário, que conhece a saúde do teu animal de estimação e o que é o melhor na alimentação do gato.

Deixe um comentário