A superpopulação num aquário

A superpopulação num aquário

Povoar um aquário é uma das principais questões no momento que decidimos ter um no nosso lar. Quantos peixes são recomendáveis pôr nele? No nosso anterior artigo demos umas recomendações sobre o tamanho do aquário adequado para não chegar à superpopulação das espécies que queremos manter.

O que é a superpopulação num aquário?

A superpopulação é um dos problemas mais comuns nos inícios de um aquário. É conveniente evitá-la, já que as consequências podem provocar problemas e frustrações, causando o abandono do hobby. Há que entender que o termo superpopulação refere-se a manter um número de peixes elevado em relação ao volume do aquário.

A superpopulação irá aumentar os problemas de qualquer aquário recém-iniciado; e não só as doenças e mortes prematuras, mas as agressões observadas com frequência nos aquários com demasiados peixes, sem suficientes esconderijos para todos. Se os peixes não forem capazes de estabelecer um território o suficientemente amplo para eles, terão uma maior tendência a se tornarem agressivos com o resto de peixes. Igualmente, a concorrência pela comida será mais dura. Quando os peixes temem não obter a sua parte do alimento disponível, podem tornar-se violentos ou comer em excesso, o que irá causar problemas a curto prazo a si mesmos e aos outros peixes com os que convive. Não se poderão abastecer da quantidade de nutrientes necessários para crescer e se manter saudáveis, provocando a redução das possibilidades de atingir o tamanho adulto.

Quais problemas podem ocorrer?

Com frequência, um aquário superpovoado vai produzir mais resíduos e o filtro não poderá processar de forma eficiente, provocando níveis tóxicos para os próprios peixes, embora o filtro seja limpo com frequência. A má qualidade da água que experimenta um espécime num aquário superpovoado pode causar um enfraquecimento das guelras, os rins, o fígado e o coração. Isto acontece porque não é possível limpar o sangue de forma eficiente, dado que a água que estão a absorver constantemente tem um elevado nível de resíduos. O normal num peixe seria poder eliminar estes resíduos através das guelras e o ano; no entanto, num aquário superpovoado o filtro não pode trabalhar de forma eficiente, pelo que o peixe reabsorve uma e outra vez todos os resíduos enquanto está a nadar.

Outros problemas de saúde causados pela manutenção dos peixes em aquários superpovoados podem ser deformidades esqueléticas, problemas digestivos e enfraquecimento da pele e escamas. Deve-se a que as elevadas toxinas da água causam mudanças nas taxas de crescimento dos tecidos. Além disso, o sistema imunológico fica deprimido quando estão nestas condições e, por tanto, os peixes são menos capazes de se resistirem aos agentes patogênicos e multiplicam-se as doenças. Torna-se mais difícil aplicar os tratamentos específicos devido a esta imunodeficiência.

Por outro lado, a baixa qualidade contribuirá também substancialmente para o crescimento das algas. Embora haja tratamentos químicos contra as algas, uma boa parte dos problemas são devidos à má qualidade da água pela superpopulação.

Um aquário grande é sempre melhor pela sua estabilidade, amplitude e espaço. Se queremos adquirir um aquário de pequenas dimensões, há que tentar escolher uma única espécie conforme a esse espaço, de forma que proporcionemos uma vida mais feliz e saudável.

Azucena Gual. Bióloga aquática e criadora de peixes.

Deixe um comentário