Gato Somali

A raça originou-se a partir do surgimento dos gatinhos com pelo longo na cria de Abissínios. Durante muito tempo eles foram descartados, mas por volta de 1960 uns criadores canadenses começaram a se interessar por esses gatos e conseguiram fixar o gene de pelo semilongo no Abissínio. A nova raça foi batizada com o nome Somali, em referência ao país vizinho da Etiópia, de onde acredita-se que sejam oriundos os Abissínios.

Os gatos Somalis são inteligentes, têm uma voz suave e são silenciosos, apesar de serem animais ativos. São extrovertidos e muito sociáveis, adoram ser acariciados e pedem atenção, apesar de serem menos possessivos do que os Abissínios. Têm vários períodos de atividade durante o dia, e nesses momentos saltam e correm pela casa, às vezes usando objetos com bolas, com os que brincam jogando-os para o alto. Dão-se bem com as crianças, pois são muito brincalhões. São ágeis com as patas e costumam aprender a abrir portas e gavetas, assim como torneiras, já que alguns adoram brincar com a água. Gostam de ter um jardim, apesar de terem certa aversão ao frio.

Esses gatos têm camadas de 3 ou 4 gatinhos que se desenvolvem lentamente, chegando ao seu tamanho e cor adulta por volta dos 18 meses.

A manutenção do pelo do gato Somali só requer uma escovagem semanal fora da época de muda.

Aspecto geral do gato Somali

É um gato de tamanho médio a grande, de aspecto majestoso, com musculatura firme e dá a impressão de estar alerta a tudo o que lhe rodeia.

  • Cabeça: vista de frente forma um triângulo de contornos arredondados. De perfil a cabeça apresenta uma curva suave. Focinho nem pequeno nem pontiagudo. Queixo firme e bem desenvolvido. Todas as formas são suaves, sem demarcação entre bochechas e focinho e sem stop.
  • Orelhas: grandes, alertas, bastante separadas, levemente arredondadas na ponta. Têm pelos longos na base da cara interna e pode-se notar a presença de pincéis na ponta.
  • Olhos: grandes, amendoados, expressivos, bem separados, realçados com uma linha delineadora preta por baixo. Cor âmbar, verde. Acima dos olhos têm uma linha de pelo escuro vertical, da pálpebra superior até as orelhas e uma área de pelo mais claro ao redor dos olhos, que os realça.
  • Corpo de corpulência e longitude medianas, algo longilíneo, mas não tanto com as raças orientais. Musculatura desenvolvida. Costas levemente arqueadas que lhe dá o aspecto de estar a ponto de saltar.
  • Patas longas, finas, bem proporcionadas ao torso. Pés compactos, ovalados, fica parado sobre as pontas dos pés, dando a impressão de ser rápido e ágil.
  • Cauda longa, alta e bem densa como a de uma raposa.
  • Pelagem: pelo semilongo, denso, muito fino e suave ao tato. Quanto mais denso, melhor. Curto na cabeça, na parte dianteira das patas e das costelas. Semilongo nas costas, nos flancos, no peito e na barriga. É longo na garganta, na parte traseira das coxas e na cauda. A felpa não é longa como no Persa.
  • Cor: ticking na pelagem, ou seja, cada pelo tem faixas claras ou escuras alternadas em toda a sua longitude. A felpa é clara e rente ao corpo. O ticking demora a se formar, de modo que os gatinhos pequenos não o têm até o seu segundo ano de vida. Nos Estados Unidos são reconhecidas as cores selvagem (ruddy ou comum), com faixas pretas e pêssego, azul (blue), com faixas azuis e creme, sorrel (red sorrel), com faixas chocolate e pêssego e fawn, com faixas creme escuro e bege apagado. Na Europa aceita-se um maior número de cores, incluindo além das anteriores o silver preto (faixas em preto e branco), silver red (faixas chocolate e brancas) e silver blue (faixas azuis e brancas). A cauda não deve apresentar anéis.
  • Desqualificação: ticking ausente ou escasso, cauda e patas aneladas. Marcas brancas na barriga, no flanco ou nas patas.

Deixe um comentário