Como respiram os anfíbios?

Os anfíbios são seres fascinantes que têm sido capazes de adaptar-se ao meio perfeitamente. Neste artigo falaremos de um dos grandes interrogantes destes seres, como respiram os anfíbios?

O que são os anfíbios?

São animais vertebrados de sangue frio, incapazes de regular o calor do seu corpo. A sua temperatura regula-se segundo o ambiente no qual vivem, precisam de um clima cálido ou temperado.

Mas, se há algo que realmente chama a atenção destes animais é o seu tipo de respiração, já que varia ao longo da sua vida.

Tipos de anfíbios:

Os anfíbios são animais que se caracterizam por viver entre o meio aquático e terrestre. Aproximadamente existem 7700 espécies classificadas em três grupos diferentes: anuros, urodelos e ápodes. Apesar da sua grande adaptação à vida na terra, precisam de um entorno húmido para viver já que se desidratam facilmente em ambientes secos.

  • Anuros (sem cauda): Rãs e sapos
  • Urodelos (com cauda): Salamandras, tritões e axolotes
  • Ápodes (sem extremidades): gimnofiónios

Como respiram os anfíbios nas diferentes etapas da sua vida?

A respiração dos anfíbios é pulmonar e cutânea. Contudo, contam com diferentes mecanismos respiratórios segundo a espécie e a etapa da sua vida. Estes animais caracterizam-se por sofrer uma grande metamorfose desde que nascem até que ficam adultos, que lhes permite adaptar-se ao meio em que vivem. É durante esta transformação quando desenvolvem os pulmões.

Podem ser apreciadas quatro formas diferentes de respiração: branquial, cutânea, bucofaríngea e pulmonar.

Como respiram os anfíbios está diretamente relacionado com o ambiente no qual vivem já que depende em grande medida se estão na água ou na terra. Quando nascem, são animais, aquáticos, mas ao crescerem, passam a maior parte da sua vida no meio terrestre.

Respiração dos anfíbios branquial

As brânquias são estruturas exclusivamente aquáticas que utilizam algumas espécies na sua primeira etapa da vida e outras também quando são adultas. O primeiro caso é o dos anuros e, o segundo das salamandras que vivem na água.

A forma de respirar através das brânquias é a seguinte: mediante um mecanismo de bombeamento bucal, a água entra pela boca, passa pelas brânquias e sai por um orifício chamado espiráculo (como nos golfinhos ou as baleias).

Respiração dos anfíbios cutânea

A pele dos anfíbios permite o intercâmbio gasoso graças à sua permeabilidade e vascularização. Em ocasiões funciona como apoio aos pulmões, contudo, em algumas espécies é o seu mecanismo de respiração principal. Algumas rãs utilizam a respiração pulmonar quando vivem em ambientes secos para evitar que a sua pele se desidrate. Por outro lado, muitas salamandras respiram através da pele devido a que carecem de pulmões e de brânquias.

É necessário que a pele se mantenha húmida para poder respirar através dela. Tanto para as rãs, como as salamandras e os gimnofiónios têm este tipo de respiração, que resulta fundamental em todas as etapas da sua vida.

Respiração dos anfíbios bucofaríngea

Este tipo de respiração é feita mediante as membranas permeáveis que se encontram na boca e na faringe que deixa passar uma pequena quantidade de oxigénio. Neste caso, o animal apanha o ar e o mantém na boca, se produz o intercâmbio gasoso através destas membranas bucofaríngeas.

É realizada por algumas rãs e salamandras. 

Respiração dos anfíbios pulmonar

O ar entra pelas fossas nasais e passa para a cavidade bucal, onde fica armazenado; depois as fossas nasais fecham-se e a glote abre-se, permitindo a passagem do ar aos pulmões.  Este processo acontece de forma contínua ao mesmo tempo em que o ar desoxigenado é expulso mediante contrações musculares.

É o mecanismo que utilizam a maioria dos anuros e salamandras adultos.

Como respiram os anfíbios quando são crias?

Os anfíbios nascem na água, portanto nessa primeira etapa da vida, quando são crias, respiram pelas brânquias, como os peixes. Quando realizam a metamorfose e passam a ser adultos, as brânquias desaparecem e, no seu lugar, desenvolvem pulmões.

Como respiram os anfíbios quando são adultos?

Uma vez que os anfíbios crescem e se tornam adultos, saem da água para começar a viver entre os dois meios, mas passam a maior parte do tempo na terra. Após a metamorfose, a respiração dos anfíbios adultos passa a ser pulmonar, cutânea e bucofaríngea.

Porque vários tipos de respirações combinadas?

Os anfíbios têm uns pulmões muito pequenos que não têm a capacidade suficiente para apanhar todo o oxigénio que precisam para viver. Por isso, para compensá-lo, utilizam um segundo mecanismo de respiração, através da pele, que supre esta carência.

Como respiram os anfíbios na água?

Quando os anfíbios estão no meio aquático respiram através da pele. Contudo, quando nascem, é feito através das brânquias. Algumas espécies continuam com a respiração branquial de adultos, como os axolotes.

Como respiram os anfíbios na terra?

A respiração dos anfíbios no meio terrestre é pulmonar e cutânea, exceto em algumas salamandras que não têm pulmões e a sua respiração é apenas pela pele.

Ajudante Técnico Veterinário especializada em etologia canina. Tiendanimal me permite trabalhar no que mais me apaixona: o mundo animal. Consigo conciliar o meu trabalho com voluntariados em protetoras, santuários, reservas e qualquer evento ou atividade relacionada. Tenho participado de diversos seminários e cursos relacionados com a educação canina, as aves, a primatologia e muito mais. Desfruto a aprender cada dia mais destes incríveis companheiros com os que temos a sorte de conviver.

« Anterior

Comunicação bidirecional: Escuta o teu cão – Parte I

Como manter a pelagem de cães de pelo duro

Seguinte »

Deixe um comentário

¿Necesitas hacer una consulta veterinaria? Recuerda que tu veterinario de confianza es siempre el mejor profesional para ayudarte con la salud y el cuidado de tu mascota. Mas, da Tiendanimal , queremos sempre oferecer o melhor e, para isso, temos uma equipe de especialistas que o aconselharão através do Serviço de Consulta Veterinária em nosso site.